quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Os servidores e os privilégios


Acho engraçado os atuais “governantes” falando em cortar privilégios de servidores públicos. Não estou aqui negando e fechando os olhos para distorções que existem sim, mas que não chegam perto dos auxílios moradia de juízes na casa dos 4 mil mensais.

Esquecem eles que de fato, os direitos dos servidores como auxilio alimentação, triênios, licenças-prêmio foram reivindicações históricas, contudo os servidores não concederam isso a si mesmos. Foram eles que os criaram, mais movidos pela intenção de ganhar votos do que de criar justiça.

Ocorre que há um outro viés nesta história: Porque hoje isto está incomodando?

Acredito que as fontes de recursos e doações eleitorais estão secando, em face da atual vigilância que estão sofrendo. Com este sucateamento do serviço público, ter-se-á menos servidores, e tendo menos servidores, abrir-se-ão mais terceirizações e “contratos emergenciais” sem licitação, criando um novo fluxo e oportunidade de arrecadação das comissões e doações eleitorais.

Os altos salários do Judiciário, nos Militares e dos altos escalões não estão na pauta. Também não está na pauta o contingente de cargos comissionados que muitas vezes passam horas a fio nas redes sociais e em joguinhos de computador.

Estamos falando de médicos, engenheiros, fiscais, auxiliares administrativos, advogados, merendeiras, professores. Sim, estes são os privilegiados que mais sofrerão pois as medidas não estão miradas nos grandes salários.


Por fim, uma outra realidade mais sórdida:  Quanto menos servidores estáveis, menos testemunhas. Pense nisso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário