sexta-feira, 22 de julho de 2011

EXPLICANDO UMA CITAÇÃO

Objeto de estudo

"As grandes obras são sonhadas por gênios, executadas pelos lutadores, desfrutadas pelos felizes e criticadas pelos inuteis." (Autor desconhecido)

Explicação


"As grandes obras são sonhadas por gênios (Gênios são os que se acham assim), executadas pelos lutadores (Os escravos e trabalhadores), desfrutadas pelos felizes (que são os mesmos gênios) e criticadas pelos inuteis (que é como os gênios consideram quem paga a conta e, como eles, não são os gênios)."

A tentativa da frase, nada mais é do criticar a quem critica, ou seja, atinge o próprio pensador.

Conceituação filosófica

O termo crítica provém do grego crinein, que significa separar, julgar. É um ato do espírito que preserva o que merece ser afirmado e põe em dúvida a pretensão daquilo que vai além do seu domínio de aplicação e, portanto, não merece ser afirmado.

A crítica é um julgamento de mérito: tal julgamento é estético, se contempla uma obra de arte; lógico, se contempla um raciocínio; intelectual, se contempla um conceito, uma teoria ou um experimento; moral, se contempla uma conduta.

Esse julgamento de mérito é fruto de uma atividade da razão, esse poder de distinguir o verdadeiro do falso, que age como uma espécie de tribunal. Ele pode tomar por objeto a própria razão, pelo exercício da crítica da razão, separando, distinguindo o domínio dentro do qual a razão pode ser exercida daquele em que ela delira a cada vez que pretende conhecer o absoluto, aquilo que tem sua razão de ser em si mesmo e a que não corresponde nada de sensível.

Pertencendo à ordem de um ato de espírito que duvida antes de afirmar, a crítica pertence, então, à ordem da liberdade de espírito. (fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Crítica)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

DESAFIO


A administração pública de Jaraguá do Sul, em matéria veiculada no “O correio do povo” que circula no dia de hoje, admitiu publicamente aquilo que todos já sabiam. A cooptação de vereadores do PV e PR para a base aliada, com troca de favores, ou seja, nomeação de apadrinhados no poder executivo.

O desafio consiste em saber, qual (ou quais) crime(s) foi(ram) cometido(s)?

Veja a lista abaixo e comente quais  tipos penais se adequam ao caso.

Advocacia administrativa
Art. 321 - Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário:
Pena - detenção, de um a três meses, ou multa.
Parágrafo único - Se o interesse é ilegítimo:
Pena - detenção, de três meses a um ano, além da multa.

Prevaricação
Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal:
Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

Tráfico de Influência
Art. 332 - Solicitar, exigir, cobrar ou obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato praticado por funcionário público no exercício da função: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa. Parágrafo único - A pena é aumentada da metade, se o agente alega ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário.

Corrupção ativa
Art. 333 - Oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício:
Pena - reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.
Parágrafo único - A pena é aumentada de um terço, se, em razão da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou omite ato de ofício, ou o pratica infringindo dever funcional.

Alerta: Os promotores públicos também leem jornal.

terça-feira, 12 de julho de 2011

ODES SOBRE O AUMENTO DA TARIFA DE ÔNIBUS


Eu fiquei indignado
Ele ficou indignado
A massa indignada
Duro de tão indignado

A nossa indignação
É uma mosca sem asas
Não ultrapassa as janelas
De nossas casas

(REFRÃO)
Indignação, indigna
Indigna, inação
(...)

Indignação - Skank
Composição: Samuel Rosa/chico Amaral

“Nem toda ira, pois, é maldade; porque a ira, se, as mais das vezes, rebenta agressiva e daninha, muitas outras, oportuna e necessária, constitui o específico da cura. Ora deriva da tentação infernal, ora de inspiração religiosa.

Comumente se acende em sentimentos desumanos e paixões cruéis; mas não raro flameja do amor santo e da verdadeira caridade.

Quando um braveja contra o bem, que não entende, ou que o contraria, é ódio iroso, ou ira odienta.

Quando verbera o escândalo, a brutalidade, ou o orgulho, não é agrestia rude, mas exaltação virtuosa; não é soberba, que explode, mas indignação que ilumina; não é raiva desaçaimada, mas correção fraterna.

Então, não somente não peca o que se irar, mas pecará, não se irando.

Cólera será; mas cólera da mansuetude, cólera da justiça, cólera que reflete a de Deus, face também celeste do amor, da misericórdia e da santidade.”
Rui Barbosa- Oração aos moços

segunda-feira, 4 de julho de 2011

ALEXANDRE GARCIA E JARAGUÁ DO SUL


O mestre em distorções Alexandre Garcia, em spots que o mesmo vende (não muito barato)  à rádios do Brasil Inteiro, mostrou como se pode, com a simples mudança de duas palavras, distorcer o sentido de uma frase, em favor é claro de sua visão de mundo e de política.

Esta visão de mundo e de política é na verdade refletida na própria distorção cometida, que acredito não foi um simples equívoco, mas uma alteração intencional.  

O dito cujo, nos programas televisionados não ousa falar 1% do que fala nos rádios, afinal emprego fixo é emprego fixo.

Vamos ao fato:

Diversos outdoors em Jaraguá do Sul foram fotografados e ganharam o Brasil pela Internet, e o comentarista, na gravação, diz que recebeu os mesmos e leu seus conteúdos (alterando a ordem de duas palavras).

Nestes anúncios, vemos argumentos sobre a realidade salarial e jornada de vereadores, sendo que todos, finalizam com a frase “Não precisamos de mais vereadores”, fazendo alusão ao movimento contrário à reposição do número de cadeiras da casa legislativa desta cidade.

O comentarista, com comentário digno de Mussolini e Hitler, alegou que os letreiros possuíam  a seguinte frase: “Não precisamos mais de vereadores” e teceu comentários de que vereadores deveriam ser voluntários ou mesmo nem precisariam existir.

Esta nota foi celebrada pelos aliados dos ocupantes do Poder Executivo. Quanto menos fiscais melhor!

Toda esta celeuma, criou corpo em razão da alegada má qualidade dos edis.

Engraçado! Muito embora haja no senso comum um aparente consenso de que a qualidade da educação no Brasil é ruim, ninguém propõe em fechar ou mesmo parar de construir escolas e demitir professores. Alguma coisa neste raciocínio está errada!

Quanto às distorções, estas são o atalho e o caminho dos que não tem compromisso com a verdade.

Pensem nisso!