quinta-feira, 2 de junho de 2011

O PRÓXIMO ATO

Já considero a discussão do número de vereadores ultrapassada. Seja qual for o resultado, todos devemos nos preparar para os passos seguintes, que culminarão com as eleições de 2012.

Infelizmente a grande maioria dos eleitores não participam e não compreendem o que se passa nos bastidores de um processo eleitoral, desconhecendo os meandros desta fascinante ciência que é a política.

Cada vez que ouço críticas generalizadas aos políticos, lembro minha pequena filhinha, que nas refeições vive dizendo não gostar disso e daquilo, sendo que sei muito bem que se tratam de pratos que nunca experimentou.

Sobre as críticas daqueles que gostariam de ver reduzida a câmara de vereadores, infelizmente, seus argumentos foram muito pobres e enganadores. Tentaram iludir as pessoas de que a opinião pública era contra, (sendo que a grande maioria nunca foi consultada), disseram que a audiência pública deixou clara a vitória dos “contra”, ignorando as vozes dos “a favor”, Alegaram generalidades acerca dos gastos, tudo sem nenhum fundamento concreto. Além do descontentamento, nunca apresentaram nenhum número específico. Que falta de qualidade!!!!

Estamos mesmo assim, todos desafiados a construir propostas e plataformas renovadoras e factíveis. Devemos construir espaços de discussão comprometidos com a verdade e com cada vez mais participação popular, não confundida com assembleias específicas que reúnem no máximo trezentas pessoas. Nossa população passa de 140.000 habitantes, e devemos qualificar nossas intervenções e nossos debates para cada vez abranger mais e mais pessoas.

Não podemos pensar a política de nossa cidade como se ocorresse apenas em um espaço.

Todo este debate em torno da Câmara de Vereadores, me faz pensar na seguinte indagação:

Onde esta o poder executivo? (Até parece que não existe mais).

Pensem Nisso!
  

Um comentário:

  1. José Juarez Momm2 de junho de 2011 11:57

    Essa discussão acontece porque a política ainda é vista como tirar vantagem de uma maneira mais fácil tendo lógico um "bom padrinho"; política é vista como que exclusivamente corrupção, embora isso exista não sei em qual proporção se fôssemos fazer um comparativo entre público e privado, política é vista como acomodar "amigos" em cargos sem precisar de competência para tal. A discussão de hoje em relação ao número de vereadores se dá porque não se respeita a independência dos poderes, pois se isto existisse a nossa cidade estaria bem melhor, porque neste jogo do poder conseguiram virar a artilharia de tudo de ruim que acontece em Jaraguá para cima dos vereadores. Como virar este jogo? Votar pelos 19 vereadores e mostrar que são um poder independente e ser independente em sua fiscalização como a legislação assegura e não ter medo de denunciar e lutar pela justiça e transparência do serviço público, isso vale desde o Legislativo para dar o exemplo ao Executivo que é a função principal a ser fiscalizado.

    ResponderExcluir